Login: E-mail Senha Lembrar senha

Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor - Tel: +55 11 5904-2881 / 5904-3959 - Whatsapp: 11 99408-0079 - dor@dor.org.br

Artigos dos Comitês de Dor


Saiba tudo sobre dor!
Confira os novos artigos dos Comitês de Dor da SBED.

Rapidinha Científica

  • 01
  • 02
  • 03
  • 04

FELICIDADE - provavelmente é o que todos buscamos em nossas vidas. Ou seja, é o desfecho mais importante e o que estamos sempre a procurar, a pergunta que vale milhões é: como alcançá-la? Vale a pena a leitura do texto de Rachel Botelho na Folha de São Paulo de hoje na seção Equilíbrio, onde o Psiquiatra de Harvard, ROBERT WALDINGER, que comanda o mais longo estudo sobre felicidade desde 1938, dá dicas importantes:
Laços afetivos fortes com a família e amigos é o mais importante!
Também fazem parte : NÃO FUMAR.
CUIDADO com o álcool: Primeira causa de divórcio e o uso abusivo leva a depressão.
EXERCÍCIOS: Praticar exercícios melhora a qualidade de vida.
PORTANTO VALE AQUELE VELHO DITADO CHINÊS :
Se Deseja 01 ano de prosperidade, Plante Grãos!
Se Deseja 10 anos de Prosperidade, Plante Árvores!
Se Deseja 100 anos de Prosperidade, DESENVOLVA AMIGOS!
(Fonte: Folha de São Paulo / Dr. Paulo Renato Fonseca)

Pessoas inseguras quanto á sua situação financeira tendem a apresentar menor tolerancia á dor. É o que o recente estudo publicado no periódico Psychological Science. Tais achados relacionam o sentimento de controle sobre a vida e dor. O pesquisador Eileen Chou da Universidade de Virgínia revela que o resultado de 6 estudos estabelecem que a insegurança econômica produz dor física, reduzindo sua a tolerância e aumentando o consumo de medicamentos para alivio da dor". Chou. Bidhan Parmar (University of Virginia) e Adam Galinsky (Columbia University) observaram a co-ocorrência de pelos menos 2 tendências: o aumento da insegurança econômica e aumento de queixas dolorosas. A hipótese que justificaria essa tendência, dizem os pesquisadores, é que sentimentos de insegurança econômica levariam as pessoas ao sentimento de falta de controle sobre suas vidas, o que ativaria processos psicológicos relacionados à ansiedade, medo e estresse. Tais processos psicológicos são semelhantes mecanismos neurais interligados à dor. O grau de sentimento de controle sobre a vida é uma interpretação subjetiva com consequências cruciais, além dos dados objetivos observados. Para os pesquisadores, a irrupção do ciclo vicioso entre dor física, sentimentos de insegurança levariam à possibilidade criação de um novo padrão de bem-estar e experiência livre de dor.
(Fonte Dra. Dirce Perissinotti)

A área psicológica do estudo da dor é um campo enorme e muito ainda precisa ser estudado. Estudo de maio de 2016 da Universidade de Columbus em Ohio, conduzido por Dominik Mischkowski e col. (National Institute of Health), Baldwin Way e col.(Inst of Behavior da Wexner Medical Research) e Jennifer Crocker (Ohio Eminent Scholar in Social Psychology) afirmam que o uso de acetaminofen para o alívio da dor reduziria também a capacidade de empatia relacionada ao sofrimento social e capacidade de convivência com os pares. Os pesquisadores alertam que o uso inadequado da medicação, sem a devida prescrição médica poderia reduzir a capacidade de relacionamento social e capacidade para identificar e tolerar os semelhantes.
(Fonte: Social Cognitive and Affective Neuroscience)

Recente artigo de abril de 2016 da Universidade de Oxford dirigida por Catarina Johnson é do departamento de Psiquiatria e Psicologia experimental tem mostrado que indivíduos com maior número de amigos tem mais melhor tolerância à dor e precisam de menores doses de morfina no seu tratamento Recife antigo de abril de 2016 da Universidade de Oxford dirigida por Katerina Johnson do departamento de Psiquiatria e Psicologia Experimental tem mostrado que indivíduos com maior número de amigos tem mais melhor tolerância à dor e precisam de menores doses de morfina no seu tratamento.
(Fonte: Pain tolerance predicts human social network size. Scientiific Reports. DOI:10.1038/srep25267)



Mensagem do Presidente

Trabalhando por uma SBED maior
Mais uma vez me dirijo a você como presidente da SBED, para agradecer a confiança depositada em nossa Diretoria. Faço questão de reafirmar o compromisso de trabalhar com afinco para que o brasileiro tenha melhor possibilidade de mitigar suas dores.
Continue lendo...

Caminhada Pare a Dor

Diante da Dor Crônica não se isole. Venha para caminhada Pare a Dor!