Login: E-mail Senha Lembrar senha

Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor - Tel: +55 11 5904-2881 / 5904-3959 - Whatsapp: 11 99408-0079 - dor@dor.org.br

Artigos dos Comitês de Dor


Saiba tudo sobre dor!
Confira os novos artigos dos Comitês de Dor da SBED.

Rapidinha Científica

  • 01
  • 02
  • 03
  • 04
  • 05
  • 06
  • 07
  • 08

Qual a diferença entre dor e sofrimento?
Dor é uma sensação, mais a reação a esta sensação. Sofrimento é um conceito mais global. É, sobretudo, um sentimento negativo, que prejudica a qualidade de vida do sofredor.
Ambos os aspectos, tanto físico quanto psicológico, atuam no sofrimento, e a dor pode ser apenas um pequeno componente.
(Fonte: Dr. Hong Jin Pai – membro da SBED)

A dor é física e emocional
Dor, principalmente dor crônica, afeta mais do que apenas o seu corpo.
A dor é psicologicamente estressante e (compreensivelmente) pode levar a emoções como raiva e frustração.
A  dor e o estresse podem ser um círculo vicioso: dor pode aumentar os níveis de stress e aumento dos níveis de stress pode piorar a dor.
Isso pode causar  depressão e dificuldade de concentração, cronificando a piora.
(Fonte: Dr. Hong Jin Pai – Membro da SBED)

Estudo recente da Universidade de Würzburg afirma que as expectativas são muito poderosas sobre o que ocorre as pessoas. Pacientes obtiveram comprimidos que não têm nenhum ingrediente ativo, placebo, acreditando firmemente que tivessem tomando uma droga eficaz e os resultados foram surpreendentes. Eles realmente melhoraram depois do uso da medicação. Apenas as suas expectativas estavam em jogo, pois as expectativas alteraram a percepção da dor. Para Katharina Schwarz, autora do estudo que geralmente estuda como as expectativas influenciam a percepção e comportamento.

"Concentre-se nas expectativas não-explícitas", diz ela. São estas expectativas que as pessoas têm, mas não são conscientes que determinara.

Leia na Íntegra

Mulheres que usam regularmente desodorantes com sais de alumínio podem apresentar maiores riscos de desenvolver o câncer de mama. É o que mostra um novo estudo realizado pela Universidade De Genebra, na Suíça, e publicado pelo "International Journal of Cancer"

Os cientistas argumentam que a exposição a longo prazo ao cloreto de alumínio pode provocar o surgimento de tumores, que se espalham para outras partes do corpo. Se o produto for do tipo antitranspirante, o risco é ainda maior, de acordo com o estudo. Isso acontece porque os componentes do desodorante bloqueiam as glândulas sudoríparas, podendo se acumular ao tecido mamário.

Leia na Íntegra

FELICIDADE - provavelmente é o que todos buscamos em nossas vidas. Ou seja, é o desfecho mais importante e o que estamos sempre a procurar, a pergunta que vale milhões é: como alcançá-la? Vale a pena a leitura do texto de Rachel Botelho na Folha de São Paulo de hoje na seção Equilíbrio, onde o Psiquiatra de Harvard, ROBERT WALDINGER, que comanda o mais longo estudo sobre felicidade desde 1938, dá dicas importantes:
Laços afetivos fortes com a família e amigos é o mais importante!
Também fazem parte: NÃO FUMAR.
CUIDADO com o álcool: Primeira causa de divórcio e o uso abusivo leva a depressão.
EXERCÍCIOS: Praticar exercícios melhora a qualidade de vida.
PORTANTO VALE AQUELE VELHO DITADO CHINÊS :
Se Deseja 01 ano de prosperidade, Plante Grãos!
Se Deseja 10 anos de Prosperidade, Plante Árvores!
Se Deseja 100 anos de Prosperidade, DESENVOLVA AMIGOS!
(Fonte: Folha de São Paulo / Dr. Paulo Renato Fonseca)

Pessoas inseguras quanto á sua situação financeira tendem a apresentar menor tolerancia á dor. É o que o recente estudo publicado no periódico Psychological Science. Tais achados relacionam o sentimento de controle sobre a vida e dor. O pesquisador Eileen Chou da Universidade de Virgínia revela que o resultado de 6 estudos estabelecem que a insegurança econômica produz dor física, reduzindo sua a tolerância e aumentando o consumo de medicamentos para alivio da dor". Chou. Bidhan Parmar (University of Virginia) e Adam Galinsky (Columbia University) observaram a co-ocorrência de pelos menos 2 tendências: o aumento da insegurança econômica e aumento de queixas dolorosas. A hipótese que justificaria essa tendência, dizem os pesquisadores, é que sentimentos de insegurança econômica levariam as pessoas ao sentimento de falta de controle sobre suas vidas, o que ativaria processos psicológicos relacionados à ansiedade, medo e estresse. Tais processos psicológicos são semelhantes mecanismos neurais interligados à dor. O grau de sentimento de controle sobre a vida é uma interpretação subjetiva com consequências cruciais, além dos dados objetivos observados. Para os pesquisadores, a irrupção do ciclo vicioso entre dor física, sentimentos de insegurança levariam à possibilidade criação de um novo padrão de bem-estar e experiência livre de dor.
(Fonte Dra. Dirce Perissinotti)

A área psicológica do estudo da dor é um campo enorme e muito ainda precisa ser estudado. Estudo de maio de 2016 da Universidade de Columbus em Ohio, conduzido por Dominik Mischkowski e col. (National Institute of Health), Baldwin Way e col.(Inst of Behavior da Wexner Medical Research) e Jennifer Crocker (Ohio Eminent Scholar in Social Psychology) afirmam que o uso de acetaminofen para o alívio da dor reduziria também a capacidade de empatia relacionada ao sofrimento social e capacidade de convivência com os pares. Os pesquisadores alertam que o uso inadequado da medicação, sem a devida prescrição médica poderia reduzir a capacidade de relacionamento social e capacidade para identificar e tolerar os semelhantes.
(Fonte: Social Cognitive and Affective Neuroscience)

Recente artigo de abril de 2016 da Universidade de Oxford dirigida por Catarina Johnson é do departamento de Psiquiatria e Psicologia experimental tem mostrado que indivíduos com maior número de amigos tem mais melhor tolerância à dor e precisam de menores doses de morfina no seu tratamento Recife antigo de abril de 2016 da Universidade de Oxford dirigida por Katerina Johnson do departamento de Psiquiatria e Psicologia Experimental tem mostrado que indivíduos com maior número de amigos tem mais melhor tolerância à dor e precisam de menores doses de morfina no seu tratamento.
(Fonte: Pain tolerance predicts human social network size. Scientiific Reports. DOI:10.1038/srep25267)


Pop Up - Sorteio Livro História da Dor


Convite especial ao 13° CBDor

Mensagem do Presidente

Zelando pelo cumprimento do estatuto e do nome da SBED
A Diretoria da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor – SBED cumprindo sua função de zelar pelo estrito cumprimento do estatuto, com muito constrangimento se obriga a recorrer aos meios legais para coibir que pessoas não associadas façam uso indevido no nome e da logomarca da SBED com o objetivo de auferir vantagens pecuniárias.
Leia na íntegra!